Skip to content


Blog


Sugestões de Pauta – Emater

01) -  Cultivo Florestal

Despontando como uma importante e promissora atividade a ser incorporada nas propriedades rurais do Oeste do Paraná, os cultivos florestais crescem como uma alternativa, capaz de poder conciliar a geração de renda e a oportunidade de trabalho com a conservação ambiental. Num momento onde o mundo inteiro discute as formas de preservar o meio ambiente e atenuar os efeitos do clima, os cultivos florestais surgem como uma importante ferramenta de preservação aliada a produção, constituindo uma das formas mais viáveis de fixação do gás carbônico, um dos principais gases de efeito estufa. A possibilidade de integrar os sistemas produtivos, através das agroflorestas, associando floresta com agricultura (agrossilvicultura) e pecuária (silvipastoril), permite produzir matéria prima de base florestal (produtos madeireiros e não madeireiros) casada com a produção de alimento. Não obstante, há a possibilidade de restauração das áreas de reserva legal com espécies exóticas, como noz-pecã, eucaliptos, cedro australiano, entre outras, permitindo a exploração econômica desses espaços ao mesmo tempo em que o produtor rural atende a legislação ambiental vigente. Ainda, merece menção, a possibilidade do plantio e exploração comercial de espécies florestais nativas de nossa flora. Tal normatização representa um grande avanço pois possibilita aos agricultores agregarem valor a matéria prima de base florestal através de um produto diferenciado. As transformações econômicas e sociais que o país vive, somado com os eventos mundiais previstos, fazem com que o mercado de base florestal esteja em franco desenvolvimento. O aumento da demanda por madeira para diferentes fins, como construção civil, serraria, decoração entre outros, tem levado os produtores rurais a implantarem cultivos florestais objetivando mercados diferenciados, o que provoca a adoção de técnicas de manejo silviculturais específicos. O Instituto Emater, tem desenvolvido trabalhos procurando mostrar aos agricultores, em especial os agricultores familiares, não só que os cultivos florestais apresentam-se como uma ótima alternativa de produção, seja de forma homogênea ou consorciada com outras culturas, ou ainda em processos de recuperação de áreas degradas, mas que a condução correta dos cultivos permite uma agregação maior de renda, melhorando a qualidade de vida e possibilitando uma maior inclusão social.

02) – AGROECOLOGIA

Em uma área de 2.500 m² localizada no centro do Show Rural está a Demonstração da Produção Agroecológica. Nesta área já são oito (8) anos de atividade produtiva sem uso de agroquímicos e sem a utilização de adubos sintéticos.  Ali estão sendo apresentadas tecnologias de fácil acesso a todos os agricultores que queiram produzir alimentos saudáveis com base socialmente justa, economicamente viável e ecologicamente sustentável. De forma geral apresentaremos uma “mandala” com hortaliças e ervas medicinais, estufa construída em bambu com plantio de tomates e pepinos, soja orgânica, feijão, milho, batatinha, agro floresta (milho x bracatinga x pinheiro araucária), trigo mourisco, batata-doce, mandioca, melão, também a prática da compostagem, minhocário e adubo verde, pastagem e alternativas de proteínas para bovinos, fruticultura como: figo, amora, acerola…, captação da água de chuva e aquecedor solar de água para uso doméstico. Esta área está integrada com várias entidades parceiras sendo:  EMATER, COOPAVEL, EMBRAPA, IAPAR, CPRA, ITAIPU-BINACIONAL.

Todos os exemplos, que ali estarão sendo apresentados, o Instituto EMATER  e parceiros almejam que as famílias rurais através da mudança de atitudes e compreensão do que é produzir com   sustentabilidade, atuando em tarefas fáceis como:

ñRotação de culturas com adubos verdes.

ñRedução do revolvimento do solo mediante plantio direto e cultivo mínimo.

ñManutenção da cobertura do solo.

ñBom manejo da água.

ñManejo adequado para cada cultura.

ñProdução de sementes.

ñManutenção de Refugio biológicos.

Consigam e façam valer a frase:

AGROECOLOGIA “MELHOR PARA QUEM PRODUZ E PARA QUEM CONSOME

03) - Armazém dos Municípios

No espaço Armazém dos Municípios contempla a comercialização do artesanato rural e de alimentos, produtos produzidos pelas famílias de agricultores familiares de 27 municípios da região da AMOP. Que organizados em forma de associações, grupos informais e cooperativas, abrange mais de 400 famílias.

Ocorre a exposição e venda de produtos agroindustrializados como: doces, geléias, melado, pães, biscoitos, bolachas, compotas, conservas, salame, sucos e diversas peças de artesanato.

É um espaço onde abre oportunidade para as famílias iniciantes na atividade, ocorrendo a divulgação do potencial, da diversidade e criatividade das mulheres rurais.

 

Também com objetivo de atrair mais gente no agronegócio e aproveitar melhor os produtos para alimentação, serão realizados mini cursos.

Receitas:

-Molho de tomate assado

-Pasta de berinjela

-Assado de legumes

-Schip’s de batata doce

Os mini cursos serão às 10:00 e 14:00 horas diariamente.

 

O visitante ainda terá um espaço onde poderá assistir vídeos com assuntos técnicos educativos, sobre atividades desenvolvidas na agricultura.

Serão apresentados mais de 10 vídeos diariamente, sobre: Bovinocultura de leite, Produção de sucos, Olericultura, Fruticultura entre outros.

04) - Área de Lavouras:

- Coletor de esporos da Ferrugem da soja:

O coletor de esporos é um aparelho utilizado para identificar os fungos que estão pressentes no ar. Com este aparelho é possível identificar os fungos que são disseminados pelo ar antes que eles causam danos na cultura da soja. Neste espaço os agricultores terão a oportunidade de visualizar e conhecer as estruturas dos principais fungos que atacam a cultura da soja através do microscópio. Os agricultores conhecerão também as metodologias modernas utilizadas para fazer o controle econômico das doenças da soja.

- Soja tolerante a ferrugem da soja:

Tradicionalmente os agricultores aplicam 2 ou 3 vezes fungicidas para o controle da ferragem da soja e são jogados no meio ambiente no estado do Paraná 4 milhões de litros de fungicidas a cada safra para controlá-la. Com  a soja tolerante a ferrugem da soja é possível produzi-la com menos de 2 milhões de litros de fungicidas. Isto quer dizer, que com esta tecnologia que é inédita no Show Rural podemos produzir soja com economia, com sustentabilidade, mais benefícios para a natureza e menos trabalho para o agricultor.

- Tecnologia de aplicação de produtos fitossanitários:

No estado do Paraná os agricultores em muitas situações aplicam os produtos fitossanitários de formas inadequadas, causando danos ao meio ambiente, a flora e a fauna. Neste local serão apresentados os principais bicos de pulverização recomendados para a aplicação de fungicidas, herbicidas e inseticidas de forma correta para reduzir o impacto ambiental destes produtos.

05)  OLERICULTURA

-       CULTIVO EM AMBIENTE PROTEGIDO:

Demonstrar o cultivo de hortaliças potenciais, rentáveis em períodos de entressafra, com o objetivo de despertar e incentivar os agricultores a aderirem a esse tipo de exploração. O tomate, como sempre, dentro de sua grande quantidade e variedade de tipos é uma hortaliça que tem um bom rendimento e uma boa aceitação, pois além de se conseguir altos rendimentos, se obtém frutos com um reduzido número de aplicações de agrotóxicos.

- CULTIVO DE HORTALIÇAS DESTINADAS AOS PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS (PAA e PNAE):

Após a criação dos programas governamentais de consumo de hortaliças nas escolas e outras repartições mantidas pelo município, cresceu o número de agricultores interessados no plantio de hortaliças. No show Rural está se mostrando o cultivo das principais, que são: Cenoura, beterraba, almeirão, rabanete, rúcula, alface, pepino, tomate e abobrinha.

-       CULTIVO DO TOMATE:

Sobre a proteção da estufa está se cultivando 14 variedades de tomate do tipo italiano, mesa, exótico, salada e mini, demonstrando que em um pequeno espaço se obtém altas produções.

06)  Propriedade Sustentável  (Maquete)

 

A produção sustentável envolve o interesse de todas as propriedades rurais, pois apresenta alternativas de produção não convencionais aliando os meios técnicos, econômicos e ambientais, fundamentais para a produção sustentável. É abordado o manejo e conservação de solos e água, o efeito da retirada alternada de terraços na lavoura a proteção das florestas em área de preservação permanente e reserva legal, atividades econômicas de baixo impacto ambiental, como: apicultura, produção de leite e carne em sistema silvipastoril, turismo rural, cultivo florestal, olericultura, fruticultura, agroindústria familiar dentre outras. Também é abordada a agroenergia através do manejo de dejetos de animais e uso da energia solar que aciona bomba de irrigação. A produção do biogás, que poderá ser utilizado como fonte de energia na propriedade  a partir do manejo de dejetos de animais em biodigestor, produção de biofertilizantes para uso em pastagem ou lavouras em geral e a redução do passivo ambiental provocado pelos dejetos provenientes da bovinocultura de leite e suinocultura.

 

07) Fruticultura

 

A fruticultura para a agricultura familiar tem demonstrado ser uma alternativa que ajuda na melhor utilização da mão de obra (exige mão de obra) como na maior renda na propriedade (um hectare de fruta tem uma renda equivalente a  10 – 20 hectares de soja).

Com a possibilidade de transformação dessa fruta em suco, vinhos, doces, geléias, etc. a renda tem sido ainda maior.

Hoje o mercado institucional (merenda escolar, compra direta etc) tem sido um excelente facilitador na comercialização.

Pretende-se no futuro que praticamente todas as frutas consumidas no município sejam produzidas no local.  Assim os recursos são girados no próprio município.

Na nossa unidade didática de fruticultura no Show rural, procuramos mostrar aos visitantes as vantagens, custos e mercados das principais culturas da região.

Nessa semana teremos uma equipe de técnicos que podem tirar todas as dúvidas dos produtores visitantes. Nessa unidade temos 11 cultivares de uva, tanto para mesa como para vinho e sucos.  Elas estão sendo mostradas em vários sistemas de sustentação, estando os técnicos a disposição para explicar as vantagens e os custos de cada sistema.

Alem da uva temos o figo, o abacaxi, o maracujá, a banana, a pêra e a maçã.

08)    Pecuária Leiteira

 

 

Em especial, o agricultor familiar tem necessidade em conquistar recursos financeiros durante todos os meses do ano, contudo, os que possuem com atividade principal a produção de soja, milho, feijão ou outros cereais se deparam com um grande problema, pois estas atividades proporcionam somente uma ou duas rendas durante o ano todo, além de provocar a ociosidade da mão de obra própria e de seus familiares, resultando na saída ou abandono, especialmente dos jovens, na busca de alternativas de ocupação e de renda, principalmente no meio urbano mais próximo ou na região.

Como alternativa de renda e ocupação, a Pecuária Leiteira tem demonstrado  ser uma importante atividade, que vem chamado a atenção de grande número de agricultores da Região Oeste do Paraná, tanto que hoje é a maior bacia leiteira em volume de produção do estado.

O Instituto EMATER possui um trabalho relevante nesta área produtiva, e deverá externar esta ação no Show Rural 2012, no período de 06 a 10 de janeiro.

Neste evento será demonstrado a proposta de trabalho  denominada “Modelo Emater de Produção de Leite”, que se caracteriza pela produção de leite a pasto, em que a base da alimentação dos animais é a pastagem, porém, com pasto de excelente  qualidade, sendo sua produção a partir de um bom preparo do solo, correção da acidez e adubação adequada. Esta forma de produção  proporciona um leite de melhor qualidade,  e com custos reduzidos, além de proporcionar um maior conforto para os animais que vão a campo colher seu próprio alimento.

Serão  apresentadas instalações como sala de ordenha, sala de espera e sala de alimentação para as vacas em produção. Também, uma área com pastagens  já implantadas e em produção de massa verde, integrada ao sistema silvipastoril , em que as árvores (no caso eucalipto) além de proporcionar conforto animal pelo sombreamento de suas copas, reverte em produção de madeira para a venda ou consumo na propriedade rural. Nessa área haverá um sistema de irrigação por asperssão, para que haja produção de leite durante o ano todo, eliminando os malefícios proporcionados pelas estiagens que freqüentemente ocorrem em nossa região.

Paralelamente as tecnologias citadas,  haverá, em forma de teatro, um diálogo entre dois agricultores, sendo que um deles está bem sucedido na atividade e outro sem sucesso, contudo, tendo a mesma condição de área, solo, recursos disponíveis e acesso as tecnologias, porém, um deles adota as orientações técnicas e o outro se apresenta resistente as mudanças.

09) Turismo Rural

O Turismo Rural é uma atividade considerada nova, que vem tendo boa aceitação por considerável número de agricultores, especialmente agricultores familiares, que estão vislumbrando uma importante fonte de renda, que pode ser auferida durante o ano todo.

Neste ano, o Instituto Emater estará orientando os agricultores interessados nesta alternativa de exploração rural, com a apresentação de um estande alusivo ao tema, onde, os municípios que já deram os primeiros passos, estarão mostrando seus resultados e os caminhos que trilharam para atingi-los.

Serão dez experiências bem sucedidas, entre as quais o Circuito das Agroindústrias do município de Nova Aurora, o Circuito Sabiá de Matelândia e o Circuito da Transformação na Agricultura Familiar de Missal.

Este trabalho será mostrado em um pavilhão de 450 m², chamado de Pavilhão do Turismo Rural, cujo espaço interno terá dez estandes menores, que abrigarão os municípios expositores, e, que terá como fachada uma cortina feita com espigas de milho, caracterizando de fato o espaço rural. Também, neste recinto haverá uma representação do caminho (BR 277), trecho considerado no caso, de Catanduvas até Foz do Iguaçu, cujos municípios que possuem trabalhos na área do Turismo Rural estarão representados. Outro fato que será considerado neste estande, é a praça no centro do pavilhão, além do descanso e da boa conversa, os visitantes poderão apreciar inúmeras peças do artesanato rural, especialmente feita por artesãos anônimos do meio rural,  com peças consideradas de extremo bom gosto.